Humanos e humanóides

Aqui fica mais um exemplo de um pequeno ensaio sobre o filme Blade Runner, de Ridley Scott, desta vez da Joana Ginjeira, a quem se agradece.


DECKARD É HUMANO OU REPLICANTE?
Joana Margarida Vicente Ginjeira
Escola Secundária Manuel Teixeira Gomes
11º Ano de Filosofia, Turma M – Maio 2014

Neste ensaio discuto o problema de saber se Deckard, personagem do filme Blade Runner, é humano ou se é replicante. A posição aqui defendida é a de que Deckard é replicante.
Deckard, a personagem principal, tem como objetivo exterminar replicantes da Terra, seres criados artificialmente (por meio de manipulação genética), que imitam perfeitamente a aparência externa dos humanos. Durante todo este processo, Deckard vai-se confrontando com situações que põem em causa a sua identidade como humano.
Primeiramente, há que distinguir humanos e replicantes. A diferença só pode ser detetada pela aplicação de um teste — chamado Voight-Kampff — no qual se reconhecem diferentes reações involuntárias da pupila de humanos e replicantes. Fora isso, os replicantes têm a capacidade de sentir, tal como os humanos, desenvolvendo emoções a partir da implantação de memórias de outras pessoas na sua mente.
No meu ponto de vista, existem vários indícios a favor da ideia de que Deckard é replicante. Por exemplo, no texto de abertura, diz-se que seis replicantes estão à solta na Terra, três homens e três mulheres. Quatro são logo identificados. O quinto vem-se a descobrir mais tarde: Rachel. O sexto é uma incógnita, mas acredito que o facto de dizerem que este pereceu queimado na empresa Tyrell, seja uma história inventada pela polícia para não levantar suspeita sobre a verdadeira identidade de Deckard. É bem provável, a meu ver, que Gaff, sabendo que Deckard é replicante, o tenha posto à caça dos replicantes por este ser tão ágil e forte como eles, pois se o caçador fosse humano, a presa tornar-se-ia mais perigosa e a tarefa mais arriscada. Mais adiante, na cena em que Rachel está em casa de Deckard e lhe pergunta se este já se submeteu ao teste Voight-Kampff, não obtemos resposta da sua parte, o que nos leva a pensar que duvida da sua identidade. Outro indício é quando no final do filme Gaff diz a Deckard: “You’ve done a man’s job, sir!. Isto mostra que Gaff estava a compará-lo com um Homem, enquanto o elogiava. Finalmente, o origami de unicórnio deixado no apartamento de Deckard, que aparecera nos seus sonhos e que pode ser uma prova de que aquilo é apenas uma memória implantada, tal como as fotografias do seu passado, que parecem vindas de um passado muito mais imemorial do que deveria, sendo o presente dele 2019.
Em vista dos argumentos apresentados, estou convicta de que Deckard é replicante, embora esta questão seja uma daquelas questões que permanecerão sem resposta definitiva, independentemente do que uma ou outra pessoa considere.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Dedução e indução

Filmes

O universo da lógica